A boga

A boga
A boga

Não estando habituada a comer peixe do rio, as minhas incursões à praça de Mértola são sempre uma aventura.
Salvo raras excepções, o peixe do Guadiana tem muitas espinhas. É preciso saber prepará-lo e comê-lo. Muitas das vezes, na culinária regional, o peixe é frito. Acompanha as sopas ou açordas. Na nossa dieta alimentar, os fritos não entram em casa. Por essa razão, fiquei surpreendida quando vi o pescador preparar umas bogas para serem grelhadas na brasa.
Limpou o peixe e embora ficasse inteiro, deu-lhe uns golpes dum lado e de outro, todos regulares pela espinha abaixo (foi o que mais me chamou a atenção). Segui o conselho para que, quando o peixe chegasse à boca, não ter que encontrar tantas espinhas.
Esfrega-se o peixe com sal grosso e leva-se à brasa.
Num almofariz, esmagam-se os alhos, coentros e limões. Besunta-se o peixe grelhado com este preparado.
É uma delícia.
E espinhas?
Só se for por acaso!

One comment on “A boga

  1. francisco ribeiro de sousa

    muito obrigado por esta informação AOS anos que tive a sorte de ter um amigo filho de pescador das caneiras em santarem onde o pai do amigo me convidou para um petisco,junto ao tejo para saborear um SAVEL grelhado dessa forma. foi algo que nunca mais esqueci, mas não sabia como era o processo,era este mesmo .obrigado por voltar 50 anos atrás

    Reply

Deixe uma resposta