Memórias

Memórias Taleigo "Memórias" Taleigo "Memórias" Não encontrei propriamente uma solução para dar uso aos tecidos antigos que colecciono. Em vez dos ver dobrados e amontoados e uma vez que quero apreciá-los no meu dia-a-dia, resolvi fazer uma manta destes grandes retalhos para poder ver os padrões no seu inteiro. Há detalhes nos motivos florais, como o do pássaro que perderia o romantismo se massacrasse o tecido ao cortá-lo aos quadrados como numa manta de retalhos convencional. Como não gosto de desperdícios, tudo se reaproveita. A razão pela qual fiz o taleigo "Memórias" e que está disponível na loja. Que não restem dúvidas. Todos os tecidos já foram utilizados. Num ou noutro encontramos vestígios da utilização no passado, noutros ainda se notam as marcas dum acolchoado anterior, mas estão em excelente estado de conservação. Em nada retiram beleza aos tecidos. Assumem-se, dando agora forma a um novo taleigo.

A obra

O meu despertar A manta do meu verão A cocheira entra finalmente em obras A cocheira entrou em obras. É nesse espaço que um dia terei uma porta aberta para a rua, um espaço onde finalmente poderei criar, fiar, trabalhar sem ter de arrumar a tralha que vou espalhando pela casa. Até lá, vou continuar a estender os meus panos no chão da cozinha, alinhavando uma nova manta que há de ocupar o meu Verão!

Wish list

Wish list Wish list É um momento como este em que gostava tanto de ter um espaço meu onde não teria de colocar de manhã a máquina de costura sobre a mesa da sala de jantar, estender os projectos pelas paredes da casa, encontrar uma superfície plana no meio da cozinha para alinhavar a futura manta e ter ainda de arrumar, no final do dia, o que ainda está em curso.

A primeira de duas mantas

A primeira de duas mantas A primeira de duas mantas A primeira de duas mantas Ao fim de dois anos, acabo de acolchoar a primeira de duas mantas. O tempo passou e meses sem lhe pegar. Justifico-me com a mudança de casa, mudança de clima e sobretudo da luz, a falta dum lugar só para mim, o constante arrumar para deixar espaço tem de ter um fim (espero que o Ano Novo traga um local onde poderei dedicar parte daquilo que mais gosto de fazer). Nesta manta, acolchoei à volta dos hexágonos para dar mais relevo às suas formas geométricas. Na segunda manta, vou seguir outras linhas para obter outros efeitos mas antes de começar, vou aproveitar os desperdícios tão falados aqui.

Por falar em costura

Por falar em costura Fui arranjar a máquina de costura da minha vizinha. Arranjar será dizer muito mas, seguindo o livro de instruções, fui capaz de pôr a máquina a funcionar. A minha vizinha anda feliz. Reaproveita a roupa da mãe para fazer aventais e batas para andar dentro de casa. Quanto a mim, prometi a mim mesma que não avançaria com mais nenhum projecto até acabar esta manta. O tempo voa e não vejo a hora de a pôr a uso.

A Venda de Natal

A manta de retalhos A manta de retalhos A manta de retalhos Queria levar a gente da minha aldeia atrás de mim, façon Tiago Pereira, mas, como tal projecto não seria sequer concebível, a D. Benvinda foi o retrato possível, junto à manta agora acabada, para anunciar a Venda de Natal que se vai realizar em Lisboa, na Retrosaria da Rosa Pomar de 17 a 23 de Dezembro, onde também estarão presentes a Ana, a Inês, a Rita e a Rita. Se desço da Serra da Estrela para ir até à capital... o que será subir dois andares até à Retrosaria? Retrosaria Rua do Loreto, 61 2º Dtº 1200-241 Lisboa Aberto das 10h às 19h, Segunda-feira inclusivé.