Abriram-se novas portas

Abriram-se novas portas A Cocheira ❤ Atelier está finalmente pronta. Houve a inauguração do espaço com amigos e vizinhos. Doravante, vou tentar passar lá as manhãs. A porta não está totalmente aberta mas quem passar, poderá avistar a gata à espreita. Para aqueles cuja a distância é uma dificuldade, o site XuXudidi mudou de porta. De qualquer forma, são todos bem vindos!

Cocheira ❤ Atelier

O Outono da Xuxudidi vai ter direito a uma celebração! Quando fiz anos na Primavera, bati do pé. Se até então a minha vida fora uma constante luta, era tempo agora de recolher o que ao longo dos anos fui semeando. Anunciei que a cocheira entraria em obras e que seria naquele espaço que, finalmente, e em família, iríamos poder dar asas à criatividade. O Verão pareceu longo e o Outono chegou com a promessa do fim da obra. O Dia de S. Martinho pareceu-nos uma excelente data para dar início a um novo ciclo no projecto familiar xuxudidi. Quarta-feira, quando a noite se fará, as portas vão-se abrir pela primeira vez para receber amigos e vizinhos, e para juntos celebrarmos o Outono. São todos bem-vindos!

Exposição-Exhibition-Exposition

Cartaz Há anos que uso as redes sociais para melhor divulgar o que faço no meu blog. Usei (e ainda uso) o Flickr. Mais tarde, várias aplicações no telemóvel revolucionaram o meu comportamento no dia a dia. Mais leve, fácil de transportar, não havia mais desculpas para registar os momentos mais anódinos. Fiz do Instagram uma segunda casa. Despreocupadamente, fui fotografando o instantâneo do meu quotidiano, abusando sempre dos filtros que a aplicação oferece. O convite para uma exposição foi surpresa. Sobretudo no dia em que vi as minhas próprias fotografias impressas no papel. Acompanham-me nesta aventura a Fernanda Neves, a Luísa Cortesão e a Rita Cordeiro.

Agradecer a hospitalidade

Abderrazzak, o homem da carne Zohra, a tecedeira Mouloud, o berbere Tenho fotos por imprimir, cartas por escrever e a enviar para Marrocos. É imperativo agradecer as pessoas que de alguma forma tornaram a nossa viagem única; a Abderrazzak, o homem da carne, que faz as melhoras "pizzas" alguma vez comidas (parecida a nossa bôla mas condimentada de sabores genuínos); a Zohra, a tecedeira que me deixou penetrar o mundo da mulher (voltarei a falar sobre este tema). Mas nada disso teria acontecido sem o nosso "guia", Mouloud o berbere, o nosso grande amigo, que tão bem entendeu o propósito da nossa viagem. Não conheço povo mais hospitaleiro! Agradecer a hospitalidade Agradecer a hospitalidade Agradecer a hospitalidade

O peso da balança

O peso da bança A balança serve para enganar o seu peso, para alterar o seu humor, para gerir o seu dia. Parece que vive em função dela. É assim, desde largos meses, após sucessivos internamentos. Em casa redobram-se os forças numa cozinha mais que saudável. Através da balança, procura as gramas que terá conquistado à conta dos pequenos-almoços, dos almoços, dos lanches e dos jantares. Não vive sem o cinto que ajusta a cintura das calças demasiadas largas. A magreza do corpo nada dentro da camisola. Recusa um novo guarda-roupa porque acredita que tudo não passa dum susto. Se ao menos o Amor que temos pelo Pai tivesse peso na balança...