Apareçam!

"Greve" "Greve" "Greve" "Apareçam" tinha-me dito ontem um amigo meu e não me arrependo de nada. Uma semana antes e pela primeira vez, foi-me dado a conhecer o trabalho da Catarina Sobral através da nova edição da Granta. Hoje, acabei por ir a inauguração da exposição Cachimbos & Cartas de Amor, na Biblioteca Municipal de Serpa onde é possível ver as ilustrações de alguns dos seus livros. Trouxe este porque tenho muito em comum com o que sinto neste momento. Mas a obra dela em geral, tem muito de se tirar o chapéu! A exposição estará patente até dia 30 de Junho. Apareçam! Greve Texto e Ilustrações da Catarina Sobral Edição Orfeu Negro, 2011

Granta e Eu

Granta e Eu Quando regressar deste longo Verão, vou colocar um anuncio no jornal "Anagnosta oferece-se" mas duvido que muitas pessoas saibam o que significa realmente a palavra. De qualquer forma vou fazê-lo, não no jornal local porque não existe, mas no jornal da região, tão vasta seja ela que alguém há-de ler o anuncio. Talvez a pessoa que responder seja como eu, apreciadora de literatura e que com ela possa partilhar a minha paixão por certos escritores cujas palavras, a letra são a minha emoção, a fantasia da mente, o portal para outras viagens, um outro mundo, o meu mundo. Granta foi a revista que não esperava. Uma grande surpresa portanto. Descobrir na primeira pessoa alguns autores cuja obra já tinha lido e outros tantos que desconhecia, fez-me correr à única livraria da pequena cidade onde momentaneamente respiro os primeiros dias deste verão, sem horários para nada, a não ser para saciar a minha avidez de leitura. Trouxe os únicos dois autores disponíveis nas estantes, Afonso Cruz e Orhan Pamuk. Quando cruzar outras livrarias ao longo do asfalto, espero encontrar outros tantos e ao longo do ano ver obras traduzidas como é o caso da Rachel Cusk.

“Aromas e Sabores, Comidas de Mértola”

"Aromas e Sabores, Comidas de Mértola" "Aromas e Sabores, Comidas de Mértola" "Aromas e Sabores, Comidas de Mértola" São, nas prateleiras das bibliotecas que tenho vindo a descobrir, livros de receitas, muitas das vezes recolhas feitas, ou pelas escolas ou por associações, cuja edição acaba por nunca se encontrar à venda. As comidas do Baixo-Alentejo e mais propriamente na zona de Mértola diferem das outras regiões, devido à sua proximidade com o Guadiana. Algunas delas - como o figo, o chícharo ou o muge (taínha) - desempenharam um importante papel na subsistência popular sendo que a tradicional dieta mediterrânica baseada no pão, no azeite, vinho e frutas, parcava em carnes e gorduras. Debruço-me nas receitas, ávida de aprender e percebi que há muitos segredos como, por exemplo, o que se deita para dentro do almofariz, para realizar uma aparentemente simples açorda. Comidas de Mértola, Aromas e Sabores é mais do que um simples livro, feito sobre recolhas dos hábitos culinários mertolenses. "Fazer este livro sobre a gastronomia mertolenses foi também, para os seus muitos autores... um acto de generosidade, de partilha e de convívio. E, ao mesmo tempo, foi como juntar os ingredientes, misturá-los e dar-lhes a forma de um pão de palavras e de imagens. Palavras não matam fome, nem que digam mil comidas. No entanto, as palavras são, para os poetas, pão do espírito, sementes lançadas ao vento, fermentos de mudança. Podem ser doces como mel, amargas como fel, picantes como pimenta..." Manuela Barros Ferreira in introdução ao livro. Comidas de Mértola, Aromas e Sabores de Nádia Torres, alunos, professores e funcionários da Escola C+S de Mértola, 1997

Para além do Pátio Azul

Para além do Pátio Azul Para além do Pátio Azul Para além do Pátio Azul Para além do Pátio Azul Para além do Pátio Azul Para além do Pátio Azul A Rua Luís de Camões separa a Biblioteca Municipal de Beja da Casa da Cultura. Duas exposições. A Paula Estorninho apresenta "Bonecas entre páginas, entre letras, entre linhas..." O Rui Cambraia expõe fotografias "Depois do Pátio Azul" a partir das bonecas da Paula E. No meio destas duas exposições, a Rua de Camões personifica a poesia das palavras que se espalham com uma intensidade que só ao Amor toca. (Não vinha preparada para fazer qualquer tipo de registo. Estas fotografias são excertos do que o meu olhar captou dum lado e outro da Rua Luís de Camões).

Dizes-me quem tu lês?

Dizes-me quem tu lês? Dizes-me quem tu lês? Retrato duma jovem adolescente que em período de férias tem dificuldade em sair do quarto. A M. devora livros como quem devora chocolates. Esgotada a leitura, é capaz de voltar a lê-los e relê-los. Eu não me lembro ler 3 ou 4 vezes o mesmo livro. Lembro-me sim, aos 18 anos, de ler toda a obra de Marguerite Duras. Aos 20 e tais, devorava Bruce Chatwin. Na trintena descobri a obra de Amélie Nothomb. Acho que os li todos e cada ano que passa não perco uma nova publicação dela. A casa vai agora entrar em obras. Após muitos anos com os livros no chão, vamos finalmente ter a biblioteca. A escolha dos materiais e o próprio traço das prateleiras parecem definitivamente decididos. Levo comigo, para a casa do Alentejo, os meus autores de referência e pela 2ª vez estou a reler a obra da Amélie N.

Plantas do concelho

Plantas do Concelho Plantas do Concelho Plantas do Concelho Ia ao encontro do livro de Plantas Medicinais no Vale do Guadiana, editado pela Associação de Defesa do Patrimonio de Mértola (ADPM), um livro muito interessante, mas como foi co-financiado, nunca esteve à venda e há muito, esgotado. Teve uma tiragem de 1000 exemplares. Há 2 sitios onde pode ser consultado. O primeiro, na Loja da Terra em Mértola onde há, entre outros produtos, ervas e infusões. Aliás foi neste pequeno lugar que decobri a obra. O segundo lugar possível para consulta é na Biblioteca Municipal de Mértola. Puseram-me à disposição um outro livro Ervas e Cheiros que conta com a participação dos alunos da altura (1995) da Escola C+S de Mértola, Nádia Torres e Rui Guita. O livro, editado em 2000 pela mesma escola teve uma tiragem de 1500 exemplares e há muito tempo que o livro também está esgotado. São agradáveis surpresas que vou descobrindo nas prateleiras da biblioteca. Ervas e Cheiros é a prova que é possível fazer da escola um espaço muito criativo e tirando proveito dos recursos no meio existente. A escola já editou 5 livros, contando sempre com a colaboração dos seus alunos. Plantas do Concelho Etnobotânica de Plantas Mediciais no Vale do Guadiana de Claúdia Alves de Melo Edição ADPM, 2008 Ervas e Cheiros Espécies Aromática e Medicinais do Concelho de Mértola de Nádia Torres, Rui Guita e Alunos da Escola C+S de Mértola Edição Escola C+S de Mértola - PEPT, 2000