Na Cerca dos Sobreiros

Na Cerca dos Sobreiros Ju. Une collation comme à la maison Na Cerca dos Sobreiros Na Cerca dos Sobreiros Inka Qualquer dia ponho-me a escrever um roteiro sobre lugares maravilhosos que há tão perto de casa e que fogem dos guias turísticos. Ou será que devo ficar calada, muito bem caladinha e guardar segredo do nosso pequeno paraíso? De qualquer forma nada me impede de falar onde pernoitar, caso gostem de dormir na tenda (e atrevo-me a propor dormir ao relento debaixo duma abóbada de estrelas, no Verão) na propriedade da Inka e do António, muito perto da Mina de São Domingos. É um lugar mágico, silencioso e perfumado. Na horta, cresce um pouco de tudo e há uma grande variedade de plantas aromáticas. A Inka cozinha (recorro a ela para me confeccionar deliciosos bifes de seitan) mas também faz massagem integrativa. Para os autóctones, ela também faz massagens ao domicilio! Fomos de bicicleta para lanchar juntos. 4 quilómetros nos separa pela estrada velha. Quando alcançámos o portão, até os cavalos nos deram as boas vindas! Alternative Camping Quinta Cerca dos Sobreiros Montes Altos, Mina de São Domingos alternativecamping.com Tel. 286647352

Uns tesouros (II)

Uns tesouros (II) Uns tesouros (II) Uns tesouros (II) Uns tesouros (II) Uns tesouros (II) Uns tesouros (II) Os meus tesouros podem não serem valorizados pelos outros. É por isso que o lixo, os lugares abandonados e até o mar fazem a felicidade de alguns como eu. E depois há também os amigos que retribuem sentimentos com um gesto, porque sabem do que realmente gosto. Os meus tesouros são pedras, vegetação, objectos que de alguma forma tanto enquadrar no meu quotidiano e dar-lhe nova vida, valorizando-os. É o caso duma estructura metálica que roubei ao mar. Bastou, com as mãos de fada da minha amiga Inês e com um cordel de sisal, devolver a simpatia a um pufe devoluto. Um vento forte trouxe-me uma vegetação, uma imensa bola com infinitos raminhos. Abraça uma lâmpada pendurada no tecto. O abat-jour faz sucesso! Os meus tesouros são as linhas, as fitas, os botões, os tecidos, tudo o que desperta em mim sensações e ideias. As caixas de madeira da Sandeman e Vaqueiro, acumuladas, abrigam estes caprichos. Os meus tesouro é o prato que uma vizinha da aldeia trouxe-me uma manhã porque achou o meu escaparate vazio de conteúdo. Tem os elementos que me são caros como a espiga no centro e em relevo no bordo.

Chinoiserie

Chinoiserie Chinoiserie Chinoiserie O dia em que soube da última gravidez da minha amiga, o bébé nascia. Há precisamente nove meses que não nos víamos. De férias e sem a máquina de costura, recorri às agulhas, linhas e restos de tecidos para fazer uma chinoiserie ou seja, uns sapatinhos em algodão que muito lembram os dos chineses. Bordei numa sola a data de nascimento e na outra, o nome. Envoltos em papel de seda, dentro duma caixa antiga, seguiram finalmente pelo correio.
chinoiserie

Chinoiserie

O dia em que soube da última gravidez da minha amiga, o bébé nascia. Há precisamente nove meses que não nos víamos. De férias e sem a máquina de costura, recorri às agulhas, linhas e restos de tecidos para fazer uma chinoiserie ou seja, uns sapatinhos em algodão que muito lembram os dos chineses. Bordei numa sola a data de nascimento e na outra, o nome. Envoltos em papel de seda, dentro duma caixa antiga, seguiram finalmente pelo correio.

Aniversários

Uma prenda especial para uma amiga especial Uma prenda especial para uma amiga especial Uma prenda especial para uma amiga especial Uma prenda especial para uma amiga especial Vejo o mês de Outubro bater à porta e como todos os anos, sinto uma ponta de angustia que invade o meu estado de espírito. Outubro é para mim época de aniversários, como se os anos dos familiares e amigos tivessem todos concentrados num só mês. É a minha mãe, são duas das minhas três filhas, a minha grande amiga e não me alongo mais! Um aniversário consome-me. Projecto-o muitas vezes com semanas de antecedência. Continuo a pensar que as prendas mais bonitas são aquelas feitas por nós. Como tudo o que é feito à mão, leva o seu tempo tal como a prenda que a M. fez para uma amiga que certamente não iria levar a mal por ter sido feita em casa. A Mary B., é uma amiga muito especial!

Agradecer a hospitalidade

Abderrazzak, o homem da carne Zohra, a tecedeira Mouloud, o berbere Tenho fotos por imprimir, cartas por escrever e a enviar para Marrocos. É imperativo agradecer as pessoas que de alguma forma tornaram a nossa viagem única; a Abderrazzak, o homem da carne, que faz as melhoras "pizzas" alguma vez comidas (parecida a nossa bôla mas condimentada de sabores genuínos); a Zohra, a tecedeira que me deixou penetrar o mundo da mulher (voltarei a falar sobre este tema). Mas nada disso teria acontecido sem o nosso "guia", Mouloud o berbere, o nosso grande amigo, que tão bem entendeu o propósito da nossa viagem. Não conheço povo mais hospitaleiro! Agradecer a hospitalidade Agradecer a hospitalidade Agradecer a hospitalidade