Um presente de nascimento

Um presente de nascimento
Um presente de nascimento
Um presente de nascimento

De cada vez que nasce um bebé, fico feliz, muito feliz mesmo, como se esse nascimento fosse da família.
Pergunto-me muitas vezes de onde advém essa felicidade.

Há 14 anos que saí da cidade. Nas aldeias, os sinos tocam. Tocam para marcar as horas. Tocam para anunciar as Avés Marias. Tocam para anunciar o falecimento de alguém.
Raros são os dias em que o sino não relembre a perda duma pessoa. O toque é penetrante e infinito. Há códigos diferentes para anunciar o falecimento duma mulher ou de um homem.
Temo o sino da igreja. Acho-o sinistro e como se não bastasse, toca para anunciar o funeral.
Nas aldeias, há cada vez menos casamentos e desde que vivemos no Baixo-Alentejo, nunca ouvi o som alegre saíndo da torre da igreja, espalhando pelo ar o acontecimento feliz.
Queria que os sinos tocassem quando houvesse um nascimento. Um som a espalhar a alegria (boa nova) dum evento que se faz cada vez menos nas nossas aldeias.

Tricotei 4 pares de meias para o pequeno Tiago que nasceu bem longe da minha aldeia, tão longe de Portugal… lá, para os lados da fria Finlândia.
Umas meias para uns pezinhos que não pararão de crescer nos próximos anos.
Essa foi a forma que encontrei de dar como presente de nascimento.

One comment on “Um presente de nascimento

  1. Teresa

    Oh, e que lindo presente nos chegou à Finlândia! Fiquei comovida com o texto… muito obrigada minha querida! :)

    Reply

Deixar uma resposta