Esplendor no prado

Esplendor no prado Esplendor no prado Esplendor no prado Todos os anos, por esta altura, este prado em particular muda de tonalidade para ganhar uma cor avermelhada, rúbea. É um contraste com as terras vizinhas onde predominam os verdes e os brancos das Margaças e das Estevas em flor. Colhi a planta para em casa, procurar o seu nome. Dizem que a Rumex bucephalophorus é uma planta comestível. As pessoas da aldeia e com mais idade comiam as folhas em salada porque houve épocas de grande fome. Lembram-se do seu sabor ácido. Dão-lhe o nome de Erva ácida ou Azedinha. Mas tem outros nomes comuns como Azedinha-do-cão, Azedinha-falsa, Falsa-azedinha, Azedão, Labaças ou Catacuzes. Em francês, dão-lhe o nome de Oseille tête-de-boeuf e em inglês, Horned dock. Enquanto não provar a folha, como-a com os olhos!

Malhar ou não malhar?

Com carinho Minis Fazer. Desfazer. Voltar a fazer Tenho uma tendência extraordinária para inventar vocabulário. Não queria utilizar o verbo tricotar e menos ainda fazer tricot. Por isso, como faço malha, achava que poderia utilizar o verbo malhar. Pelo sim, pelo não, fui ao dicionário e na verdade malhar advém de malho + ar ou seja, estaria a bater com o malho. Não conheço sinónimos de tricotar. Lembrei-me que afinal podia estar a agulhar, já que estou sempre com agulhas nas mãos mas o mesmo dicionário diz-me que só se estivesse a ferir com agulha ou picar. Nada disso. Tudo o que faço, faço-o com tanto carinho… não seria justo! Com 5 agulhas, ando a fazer meias. O primeiro par foi tricotado para responder a uma encomenda parecido com este mas com um tamanho diferente. O segundo par foi pensado para um menino de 4 meses. A experiência foi tão gratificante que quiz repetir a proeza, tricotando um par para um tamanho de 12 meses. Quase, quase a acabar a segunda meia, não fosse faltar um metro da lã. Na altura, só me ocorreu dizer: "fazer, desfazer, voltar a fazer". Sim, mas com um tamanho mais pequeno. Não tarda, mostro o resultado!

A festa começa sempre na cozinha

A festa começa sempre na cozinha Quando faço bolos é porque há festa. Mas para mim a festa começa na cozinha quando se misturam os ingredientes e os aromas espalham-se pela casa. Quando as minhas filhas eram mais pequenas, não tardavam chegar à cozinha e perguntavam o que fazia. Não descolavam da mesa de trabalho até conseguir raspar as malgas e utensílios de cozinha. Era uma festa! Agora o bolo está feito. A casa permanece silenciosa e não vejo a hora de elas disputarem as migalhas. O brownie merengado foi feito seguindo a receita de Lume Brando. Há receitas divinais para todo o tipo de refeições.

Nascida sobre o Signo do Aquário

Nascida sobre o signo do Aquário Nasceu uma estrela Nascida sobre o signo do Aquário Há anos que a Clotilde pede uma nova almofada e, verdade seja dita, não encontrava ideias que fossem à sua imagem até que há relativamente poucas semanas, a Constança partilhou uma fotografia dum projecto seu em curso e foi o suficiente para me inspirar. Nascida nesta data, portanto sobre o signo do Aquário, bordei a constelação com um tecido que tive de tingir por não ter à mão um azul celeste. Acolchoei a parte da frente da fronha com baeta de algodão para tornar o trabalho mais relevante e confortável. Bordei as estrelas utilizando a técnica do point d'étoiles plumetis (não conheço a tradução para português dos pontos utilizados), ligadas entre elas com o point avant. Para a nebulosa, utilizei o point de noeud. O passepoil dá-lhe um outro tipo de acabamento, como se a constelação tivesse sido emoldurada. Hoje, a jovem faz 16 anos!