O rosto de quem escreve

O rosto de quem escreve
O rosto de quem escreve

Partilhei com um amigo o meu entusiasmo sobre a recente descoberta duma escritora. Contava-lhe que andava à procura dos seus livros em bibliotecas mas a escassa oferta fez-me comprar tudo o que pudesse aparecer à minha frente nas livrarias.
Quando gosto, tenho essa tendência curiosa de ler mais e mais sobre o mesmo autor. Foi assim com a Marguerite Duras, tinha então 15 anos. Seguiram-se muitos outros como a Amélie Nothomb, Dulce Maria Cardoso, Afonso Cruz, Ondjaki…
Nunca me lembrei de espreitar ou ter a curiosidade de ver o rosto de quem escreve mas a pergunta que o meu amigo me fez, interpelou-me.

Será que a minha leitura pudesse ficar mais condicionada, conhecendo eu a cor do cabelo, a estatura, a magreza ou a formosura de quem profere tal escrita?
Será que a careca do Valter Hugo Mãe influenciou a minha leitura dos seus livros?
A perplexidade da pergunta faz-me pensar. Não paro de pensar.
É verdade. Nunca tive a curiosidade de procurar na net o retrato de quem quer que seja.
Afinal preferia ver as mãos. Essas deveriam ser o retrato de quem escreve. Preferia ver o lugar da escrita, uma mesa, um papel, uma caneta, um computador, um gravador, uma paisagem.

Acabei por ver o retrato da autora na contra capa dum livro. Num outro, as fotografias da sua infância ilustravam a sua escrita.
O processo foi natural. Ela apresentou-se a mim.
Eu não me apresentei a ela, nem a nenhum autor em geral.
Fará diferença?

GRETA GARBO

Sou parecida com a Greta Garbo. Durante anos fui muda. Depois Garbo talks. Depois em Ninotchka Garbo laughs. Fico na Ninotchka, Adília laughs. Não quero acabar os meus dias num cantão da Suíça atrás de uns óculos escuros. Era só o que me faltava.

In Manhã de Adília Lopes
Assírio & Alvim, 2015

One comment on “O rosto de quem escreve

  1. Alexandra Macedo

    Foi o presente de anos que dei a mim própria! E fiquei muito feliz de o ter feito, cada vez gosto mais dela!

    Reply

Deixar uma resposta