O Natal é todos os dias!

Je cuisine avec mon ami Totoro O gato que nunca sai do quarto Il faut savoir dompter les petits bêtes, surtout quand on en a peur O nosso Natal foi único. Bom. Muito bom! Foi divertido e alegre. Só nós os 5. Sem amigos ou familiares, porque por vezes os temos. Decidimos, semanas antes, a ementa e no dia, estávamos vestidos a preceito. Comemos e bebemos do melhor. Fizemos a nossa festa. As palavras escritas nos postais que a C. nos entregou eram enigmáticas, porque as prendas não vieram a tempo. O tempo fez o seu caminho e há última prenda chegou dois meses depois. Desde de então cozinho todos os dias com o meu amigo Totoro*. Há um gato* que nunca sai do quarto, e mais, é preciso saber domar os bichinhos*, sobretudo quando temos medo deles. *As personagens vêm do filme de animação do Miyasaki, O Meu Vizinho Totoro.

Os indisponíveis

Os indisponíveis Uma mão cheia delas Os indisponíveis Para contrariar a tendência actual de que nada se vende, tenho passado bastante tempo à frente da máquina de costura para responder às diversas encomendas. Assim como os taleigos de diferentes tamanhos, as têtes de nègres também estão indisponíveis!

Vencer

Tal filha tal pai #tricot #knitting Matilde Consegui. E garanto, não é um bicho de sete cabeças. Consegui tricotar a primeira camisola com agulhas circulares, sem costuras e como me iniciava no raglan, segui à letra as explicações dadas aqui na minha língua materna. O resultado foi mais do que satisfatório de tal forma que prometi que cada membro da família teria a sua camisola. A segunda já vai a meio, numa outra lã, claro. A clareza da execução do modelo permitiu-me estar completamente à vontade para fazer algumas alterações, obtendo desta vez por fazer entre outros, aumentos não ajourados, torcendo o fio. Consegui!