Filho de moleiro

Corte Gafo
Corte Gafo

Procuro um moleiro que ainda no seu moinho, venderia a farinha que preciso para cozer o meu pão.
Imagino-me numa Assembleia Geral, propundo à Junta de Freguesia o restauro dum dos vários moinhos e azenhas que povoam a paisagem alentejana e nem sei muito bem como isto se poderia processar, para que a freguesia e não só, possa aproveitar, fazendo também do moinho uma atracção turistíca para o povoado.
Enquanto vou sonhando, trago ainda a farinha da Beira Alta. A farinha do Senhor Agostinho, filho de moleiro que durante escassos anos da sua adolescência, experimentou o ofício de mecânico.
Tudo o que aprendeu, nesse mister, aplica-o em eólicas engenhosas que lhe fornecem electricidade para a casa e o quintal. Para fazer funcionar o moinho, precisaria dum diamêtro superior a 5 metros.
A mó que encontrei na Casa do Mineiro na Mina de S. Domingos, é um modelo para farinhas moídas grosseiramente que alimentavam uma família. O Senhor Agostinho esclareceu-me a importância do diamêtro da mó para uma moagem mais fina. A ideia de ter uma mó caseira está portanto afastada.
Procuro agora um moleiro…

0 comments on “Filho de moleiro

  1. Rosário Albuquerque

    Esperemos então que os moleiros tenham internet e vejam o teu apelo!
    Eu aqui tenho moleiro sim, no moinho da Silveira, pertinho daquela loja dos móveis. É gerido pela Junta de Freguesia e produz farinha inteira e refinada, farelo e outras refinações que não uso. Começou por ser para uso da freguesia mas hoje é como dizes, uma atracção turística. Um exemplo a seguir :)
    muitos beijinhos

    Reply
  2. Paulo Sebastiao

    Adorava imenso também encontrar um moleiro. Vou estar por Portugal no inïcio de Janeiro e adoraria ir visitar um moínho em funcionamento e fazer pão com farinha em mó de pedra.

    Eu acho uma bela ideia que as juntas de freguesia recuperam algum do património, mas para isso é preciso que haja padarias dispostas a comprar farinha portuguesa, moída tradicionalmente e mais cara. Cada vez que penso nestas coisas, dá-me mais vontade de voltar para Portugal e abrir uma padaria…

    Reply

Deixar uma resposta