A choupana do pastor

A choupana do pastor
A choupana do pastor
A choupana do pastor

Acordei de manhã com uma densa neblina tapando a vista para a serra. Salpica a cara, arrepia a pele e pensei nos dois pastores, os 2 Miguéis lá em cima, no cume da Serra da Estrela.

Quando chegou a hora da despedida, o cordeiro tinha nascido, a louça (chocalho) dos chibos retirada, a ordenha das cabras feita para alimentar a matilha de cães. Os familiares estavam a arrumar a merenda, deixando para a semana alguma roupa. À porta da choupana, roupa de cama e imensos cobertores.
É assim que os 2 Miguéis devem ter passado a noite. Colados um ao outro porque aquilo é minúsculo.

A choupana feita de chapa de zinco será, para o próximo mês, o abrigo das noites inóspitas perante uma paisagem que se abre sobre o imenso vale.
(Não é que estava a trovejar em casa!)

Na hora da despedida
Na hora da despedida
Na hora da despedida

0 comments on “A choupana do pastor

  1. Vanessa

    Às vezes custa a acreditar que ainda existem pessoas com esse modo de vida. Ainda bem que algumas tradições não estão completamente perdidas :)

    Reply
  2. Pingback: A Ervilha Cor de Rosa » a transumância ii:

  3. Sílvia

    Ai que saudades eu tenho da Serra de Estrela. Das caminhadas de vários dias. Dos encontros com aldeias e gentes que fazem dela a sua vida… Beijinhos

    Reply
  4. Pingback: A Ervilha Cor de Rosa » t ∞:

Deixar uma resposta