Feitos de roupa velha

À volta do tapete
À volta do tapete
À volta do tapete

Não consigo verbalizar o prazer que tenho, quando cruzo estes rostos, ao passar pelo pelourinho no cimo do povo.
Há um aceno com a mão que paira no ar, um sorriso, palavras amistosas que querem deter a minha partida porque, é verdade, paro sempre, nem que seja para cumprimentar.
Estão sentados nos bancos ou cadeiras encostadas à parede das casas, de chapéu ou lenço na cabeça. Vão seguindo o percurso do sol nestes dias frios, seguirão o percurso da sombra quando vier tempo de calor, arrastando sempre o corpo.
Foi numa destas idas ao cimo do povo que há praticamente um ano, encontrei D. Ilda à volta dos seus tapetes.

Deste encontro nasceu o pequeno projecto de reaproveitamento.
Foram precisos largos meses para juntar e realizar as fitas feitas de roupa velha. Ao todo, uns 3 quilos para fazer 2 tapetes generosos. Os mesmos quilos que eram precisos outrora para tecer as cobertas. Havia quem vivia deste trabalho e vendia nas feiras.

Os tapetes foram para a outra casa. Os pés pisam o que as miudas em criança, vestiam.
D. Ilda sentiu-se projectada e animada. Ela, livremente escolheu a sequência das cores e o pelourinho, no cimo do povo, teve durante algum tempo outra animação.

Ó menina, tira uma fotografia à gente?

0 comments on “Feitos de roupa velha

  1. joana

    Recordações desse banco em que estive sentada com uma barriguinha de 8 meses!
    Que maravilha… e que saudades dessa aldeia!

    :)

    joana

    Reply
  2. Cláudia

    Olá, “Xuxudidi”!
    Em relação à tua pergunta no meu blog, sei quem vai ser a nova dona: Uma con-cunhada do Sr. Engº Elísio Sopas, com 32/33 anos, Arquitecta de profissão. Por isso o negócio vai ficar na família. Espero que fique tudo na mesma, dentro do possível. O Sr. Engº prometeu-me que iria ficar tudo igual…mas duvido…
    Parabéns pelo teu blog, boas fotos e bons trabalhos!
    Entremeioslusos

    Reply

Deixar uma resposta