Séraphin

Séraphin
Séraphin
Séraphin

Há livros da minha infância que não estão nas estantes delas.
Alguns, porque são fragéis de mais para parar nas mãos de quem com eles constroí, por vezes, autênticos castelos para as bonecas.
Não compro os livros da mesma forma que os meus pais compravam.
E quando penso nisso, devia estar muitas vezes doente para ter hoje uma colecção invejável de Enfants du Monde (entre outros).
As minhas filhas em contrapartida, nunca estão doentes. De tal maneira que a virose surpreendeu-me este fim-de-semana.

Os meus pais mimavam-me com os livros. Eu deito-me com elas, na cama e conto outras histórias, as minhas histórias como a do Séraphin. O meu livro preferido, rabiscado, de capa rasgada, o livro que tanto me fez sonhar, como a camisola do Plume (talvez por esta razão adoro golas altas). O Séraphin, um grand poeta, um tanto utópico que ao herdar uma ruína, vai ter a vida alterada.
Talvez seja por esta razão que gosto de reconstruir a partir do nada, que gosto da força do Séraphin, do dragão parecido ao cavalo de Troía para demover as forças públicas. Desta escada, eu achava que se podia alcançar assim o céu degrau a degrau.

Le merveilleux chef-d’oeuvre de Séraphin
Illustrações de Philippe Fix
Texto de Alain Grée
Editions des Deux Coqs d’Or, Paris, 1967

Séraphin

0 comments on “Séraphin

  1. Débora

    Cá em casa também é raro ele estar doente. E também fomos apanhados de surpresa este fim-de-semana. E concordo, a melhor distracção é ler livros que não costumam estar à vista. Adoro o vosso Séraphin!
    bjs e as melhoras :)

    Reply
  2. aracne

    je n’avais plus pensé aux livres de mon enfance, surtout à l’importance que les livres avaient dans ma vie. Presque pas de television, très peu de jouets, les lives étaient là pour nous faire compagnie. C’était le cadeau parfait, une recompense pour mes actions, un soulage quand j’étais malade. Un petit morceau de monde rien que pour moi, et dans lequel il m’étais permis de me perdre…

    Reply
    1. mamanxuxudidi

      Ce sont les constants voyages, les déménagements. Tout se résume dans une boite de chaussure, des babioles de mon enfance, mais les livres je les chéris. Et plus j’avance dans l’âge, plus je m’accroche à eux parce que comme tu le dis si bien “les livres étaient là pour nous faire compagnie”. Merci Aracne pour ton précieux souvenir!

      Reply
  3. vera

    Engraçado como há livros que nos marcam assim. Conhecemos as imagens tintim por tintim, lembramo-nos de todos os detalhes e peripécias da história, parece que em pequenos estivémos de verdade “dentro” do livro ! e porém, ás vezes os mesmos livros que tanto acarinhamos não interessam assim tanto aos nossos filhos … isso não te acontece ?

    Que bonitos presentes no post ali em cima ! gosto de quilts assim , frescos, sóbrios …
    o que ando a fazer com o meu grupo de patch é demasiado rócocó para meu gosto …

    Reply

Deixar uma resposta