E tudo a “Brisa” levou…

E tudo a "Brisa" levou...

Há largos meses que nos deslocamos ao Alentejo profundo com bastante regularidade.
Para maior celeridade, a brisa do vento do Norte faz deslocar-nos mais rapidamente utilizando as autoestradas.
Temo-nos apercebido da política nefasta e anti-social da empresa concessionária, a Brisa, que está despedindo gradual e vergonhosamente os funcionários das portagens, substituindo-os por aparelhos de pagamento automático, quando esta empresa, a Brisa, apresentou lucros de mais de 400 milhões de Euros de Janeiro a Setembro de 2010.
A Brisa, depois de receber subsídios principescos do Estado português e da União Europeia, foi privatizada por “tuta e meia”. Apesar disso, a Brisa está a despedir, de forma imoral e quando têm estes lucros fenomenais, centenas de funcionários.
Que tristeza, que vergonha !
E então, não se faz nada?

0 comments on “E tudo a “Brisa” levou…

  1. Ana V.

    Cada vez mais desemprego, penso vezes sem contas onde isto vai parar. Ontem foi 1% da população do concelho de Faro despedido, isto na zona do país com mais desemprego.
    Nos últimos tempos as barbaridades sucedem-se e nós impávidos e serenos que povo somos nós?

    Reply
  2. maria

    diane no início deste ano fui a Bragança, via Porto por comboio, qd chegeui ao Porto qual não foi o meu espanto, não tinha comboio para Bragança – a linha tinha sido interrompida, abandonada ? tinhamos que ir de autocarro, claro para pagar a portagem da autoestrada; a minha amiga de Bragança disse-me que era medonho os acidentes e nºs de mortos nessa autoestrada, da estação dos comboios em Bragança colocaram agências de autocarros. Um absurdo, um escândalo, eu que gosto tanto de viajar em comboio de apreciar a paisagem,e porque tb é mais seguro, é um crime. são estes actos absurdos que levam para a ruína e destrõem o nosso país.
    fazes bem em denunciar tudo isto.

    Reply
  3. vera

    As noções de racionalidade e de indivíduo que a economia liberal nos ofereceu contrariam qualquer moralidade social …
    São questões em que pensei muito em Cuba, onde todos têm o essencial, modestamente porém : um emprego, estudos, uma casa … mas queixam-se da falta de liberdade. Mas eu achei que fora daquela doce ilha o mundo é cruel … mas todos podemos comprar livremente aquilo que podemos …

    Reply
  4. alexandra freitas

    e todos somos cúmplices dos danos que o sistema provoca…quer gostemos, ou não, contribuimos para que tal suceda (a Brisa, as fábricas portuguesas a fechar…)

    Reply

Deixar uma resposta