11

A camisola é para a M. Tem capucho e um bolso onde está simbolizada a paz.
Vai crescendo e descobre um mundo que nem sempre lhe agrada.
Assume: é vegetariana e nós apoiamo-la, acompanhando o seu crescimento.
Gosta de vermelho.
Prefere este calçado e quanto mais gasto melhor. Mas o que mais gosta acima de tudo é escrever.

Sobre “Ter medo é…” escreveu o seguinte:

” Um sinal de que a imaginação começa a funcionar, onde começamos a precisar de alguém para desabafar, é ter receio de algo que nos aconteça…
Perder a coragem, entrar em aflição, começar a ver mais escuro do que cor-de-rosa, sentir-se escluído ou sentir o relógio avançar mais horas do que segundos e minutos…
É também pressentir o desconhecido, o sem-significado e o sem-explicação.
Ter medo é ouvir o coração bater mais forte e rapidamente dez mil vezes.
É estarmos, por exemplo num campo cheio de flores e pressentir cair-nos em cima um planeta qualquer.
É começar a correr numa planície e pensar em cair num abismo.
Tentar entrar na doçura do mundo e afogar-se em açúcar.
Estar numa piscina e ter medo de ser engolido por uma baleia.
Medo… é uma palavra sem siginificado, como por exemplo uma pessoa estar enterrada nem em túmulo nem em buraco no fundo da terra.
Mas não deixem que o medo vos domine!”

E tem medo de crescer.

Deixar uma resposta