Com a abóbora





Enquanto umas crianças magicavam à volta duma vassoura que entrou para o concurso da escola, enquanto outras crianças criavam o "Bexilhigôncio" para entrar no mesmo concurso, enquanto andavam a querer levar as abóboras para decorar a entrada da escola...
eu preparei uma deliciosa abóbora mágica que vai aquecer estas meninas todas depois de andarem na noite fria...

Tudo se cozinha nela.
Não há panela!

Após ter esvaziado a abóbora das pevides e fios interiores, certificando-se que não esteja rachada e que cabe no forno, saltear de leve numa frigideira em primeiro 400 gr. de bacon, a seguir as 8 cenouras e os 2 alhos franceses cortado às rondelas.
Deitar para a abóbora o preparado, acrescentar 200 gr. de queijo ralado, regar de 2 dl. de natas.
Não esquecer o tomilho e o rosmaninho, o sal e a pimenta.
Colocar o tampo da abóbora e ligar o forno a 200º para umas 2 horas de cozedura.

Nota: As quantidades variam consoente a dimensão da abóbora e do forno!



Hoje é dia das sogras e das bruxas.
Amanhã é o dia dos homens e de Todos-os-Santos!

O negócio das flores



É uma loja muito pequena numa esquina da Rua Direita, em Viseu. A D. Isaura está aí insatalada há cerca de 7 meses para fazer arranjos florais.
O que chama mais a atenção, são os seus bordados que ornam as paredes daquele cubículo e que estão à disposição dos turistas que por lá passam.
Sentada na cadeira, vai matando o tempo, fazendo croché.
Enquanto o negócio das flores... nem por isso!



Florista Nova Aliança
Isaura Amaral
Rua da Piedade, 11
3500 Viseu

Uma noite pré-adolescente





Há uma evolução muito interessante na história dos aniversários.
Quando eram pequenas manifestavam o desejo dum bolo partilhado na escola com os outros meninos; festas em casa, convidando a turma toda e mais alguns...
Este ano, a M. queria partilhar um serão com as suas grandes amigas.
Chegaram ao final da tarde de ontem. E para grande surpresa da M. (como se tivessemos lidos os seus pensamentos) levámos as suas irmãs e fomos jantar fora, deixando as 4 pré-adolescentes em grandes cumplicidades.
No meio da madrugada ainda ouvíamos os sussurros através do soalho. Tantos segredos espalharam-se entre as 4 paredes daquele quarto!

Pensavamos nós que a manhã se prolongaria quando fomos acordados por uma batalha de almofadas, gargalhadas e muita alegria.

La couette





Não sei traduzir o nome. Não é um edredom porque não é alcochoado, mas tem penugens de ganso enfiadas num imenso quadrado que lembra o volume dum "pouf".
A "couette" era muito usada em França, sobretudo no campo. O lugar dela era da cintura para baixo por cima dos lençóis e cobertores. Caíu em desuso nos meados do Século XX. O edredom veio revolucionar os hábitos e facilitar a vida na arte de saber fazer as camas.
A "couette" tem uma capa. Esta foi feita pela minha mãe, nos anos 70. A ideia veio daqui.

Abri as portas do sotão. Arrumou-se a roupa de Verão, tirou-se a roupa de Inverno. A "couette" arrejou. Há que fazer o inventário para melhor nos defendermos do frio da Serra.

Comecei umas meias em jacquard inspirada na revista 100 Idées, com umas lãs compradas aqui.

11





A camisola é para a M. Tem capucho e um bolso onde está simbolizada a paz.
Vai crescendo e descobre um mundo que nem sempre lhe agrada.
Assume: é vegetariana e nós apoiamo-la, acompanhando o seu crescimento.
Gosta de vermelho.
Prefere este calçado e quanto mais gasto melhor. Mas o que mais gosta acima de tudo é escrever.

Sobre "Ter medo é..." escreveu o seguinte:

" Um sinal de que a imaginação começa a funcionar, onde começamos a precisar de alguém para desabafar, é ter receio de algo que nos aconteça...
Perder a coragem, entrar em aflição, começar a ver mais escuro do que cor-de-rosa, sentir-se escluído ou sentir o relógio avançar mais horas do que segundos e minutos...
É também pressentir o desconhecido, o sem-significado e o sem-explicação.
Ter medo é ouvir o coração bater mais forte e rapidamente dez mil vezes.
É estarmos, por exemplo num campo cheio de flores e pressentir cair-nos em cima um planeta qualquer.
É começar a correr numa planície e pensar em cair num abismo.
Tentar entrar na doçura do mundo e afogar-se em açúcar.
Estar numa piscina e ter medo de ser engolido por uma baleia.
Medo... é uma palavra sem siginificado, como por exemplo uma pessoa estar enterrada nem em túmulo nem em buraco no fundo da terra.
Mas não deixem que o medo vos domine!"


E tem medo de crescer.