Fizemo-nos à estrada

Não estava previsto escrever tão cedo um post, mas acho que o nosso mal é permanecermos calados.

Fizemo-nos à estrada.
Numa estrada que parecia não ter fim, percorremos cerca de 900 km em óptimas “auto-estradas”.
Foi perto de Burgos que tivemos a nossa única portagem.
Tanto a Espanha como Portugal, receberam subsídios bilionários da União Europeia para as novas estradas.
Em Espanha, as auto-estradas são maioritariamente gratuitas, em Portugal contam-se pelos dedos da mão.
Para o desenvolvimento dum país, as vias de comunicação são fundamentais. Boas e gratuitas, seriam o ideal!

A nossa primeira paragem foi já em França no Midi-Pyrénées.
As portas estavam grande abertas e os abraços amigos calorosos.
Ontem foram mais 600 km para desta vez abraçar a família.
De onde escrevo, como o descreveu a M. no seu diário “aldeia sem carros, carros sem estrada, estrada sem pessoas…”.

Deixar uma resposta