Não foi por maldição mas é a tradição

É no meio das giestas que fomos apanhar o rosmaninho e a margaça. A marcela é muito mais difícil de encontrar porque, por onde andou o fogo, ela não volta a crescer.
As tarefas em casa ficaram assim divididas, naturalmente ao sabor dum verão que agora começou.
A C. preferiu ficar na cozinha e surpreender a família, confeccionando em segredo o seu primeiro jantar. Pegou num livro de receitas mas a capa deu-lhe algumas ideias. Nasceu uma salada muito original, saborosa e bastante decorativa.

Os vizinhos juntaram-se à volta da pequena fogueira, queimando os ramos secos e odorantes da colheita da manhã. Desafiando o fumo, as crianças e os menos novos, entoaram quadras populares.

S. João, S. João
nos livre do pulgão.
S. João, S. João,
nos dê um bocado de pão.

S. João, S. Pedro e S. Lucas,
que 3 filhos da p…

S. Pedro, S. Pedro,
nos livre deste bruxedo.
S. Pedro, S. Pedro,
nos livre do pulguedo.

Na aldeia vizinha os rapazes juntaram durante a noite todos os vasos de flores no adro da capela.

Não foi por maldição, foi por tradição.
Que viva o S. João!

Deixar uma resposta