Os guardanapos

Verde

Gosto muito de guardanapos, em tecido subentende-se!
Tenho para todo o tipo de mesa, mas aqueles que mais gosto, vêm de família, dos fins seculo XIX, têm monograma e são muito, muito grandes, maiores que um pano de cozinha porque na altura os guardanapos usavam-se a volta do pescoço. Têm uma maneira muito peculiar de se dobrarem e hoje só os uso nos dias de festa.

No dia a dia, usamos as argolas que aos poucos vamos coleccionando, adquirindo novos, ao sabor dos nossos passeios, encontrados em velharias ou como recentemente na Feira da Ladra du Jeu de Ball, em Bruxelas.

Nas memórias da nossa casa, existem uns envelopes onde jovens raparigas aprenderam a arte de bordar. São exemplares raros, de boas lições de costura. Para o nosso uso, estes envelopes são muito pequenos.

A propósito dum post recente, surgiu-me a primeira encomenda de 4 envelopes. Das 4 cores pedidas (vermelho, azul, verde e cinzento) surgiu este conjunto para guardanapos dobrados de maneira que formasse um quadrado 13x13cm. De resto segui as instrucções da Rosa.

E gostei deste pequeno desafio!

Deixar uma resposta