Muros

Azul
Sem circunspecção, sem mágoa, sem pejo
grandes e altos em redor de mim construíram muros.

E fico e desespero agora no que vejo.
Não penso noutra coisa: na minha mente esta sina rasga furos;

porque tantas coisas havia a fazer lá fora por ti.
Quando construíam os muros como é que não reparei, ah.

Mas nunca o estrondo de perdeiros ou som ouvi.
Imperceptivelmente cerrarm-me do mundo que está lá.

Konstandinos Kavafis
Edições Cotovia, 1988

Deixar uma resposta